Como ter sucesso em tempos difíceis?

Com raras exceções, as empresas não possuem uma participação de mercado dominante a tal ponto de já não terem como crescer, a não ser que o mercado continue crescendo.
Isso significa que, mesmo em períodos de recessão, ainda existe muito espaço para agregar novos clientes, novas vendas e essa é uma verdade que se expande quando consideramos que concorrentes não são apenas as outras marcas que oferecem os mesmos produtos, e sim tudo e todos que disputam o bolso das pessoas.
Em tempos de férias coletivas em grandes empresas no Vale do Paraíba, como Rhodia e GM, a empresa não pode se contaminar por fatos negativos, pelas notícias ruins, pois isso gera perda de ânimo, e aí a coisa fica mesmo complicada.
Uma empresa sem ânimo é uma empresa que perde força e coragem. A equipe fica triste, com medo, perde a crença em si e na equipe. Ao nos vermos diante de um momento de dificuldade, não devemos ignorar seus efeitos. Na verdade, é lúcido e necessário avaliar o ambiente, identificar riscos e fragilidades, mas apenas para poder desenhar um plano com o intuito de aumentar a capacidade competitiva da empresa.
Deve-se aliviar o orçamento do que representa peso morto, como práticas e custos que pouco ou nada agregam. Além de investir mais no que está relacionado a conquistar mercado, agregar clientes e expandir possibilidades.
A principal atitude é foco total, a estratégia é reunir recursos e energia para ter mais apetite e vontade do que o concorrente. Só existe um caminho a seguir: é preciso ser mais competente do que os demais competidores.
FONTE: Exame.com

Deixe uma resposta