Três ações para o planejamento pessoal

Especialistas da área de gestão apontam um fenômeno cada vez mais comum: pessoas bem-sucedidas com raiva, doentes ou tristes. Esta constatação leva ao questionamento que aumenta exponencialmente as preocupações com a Gestão de Pessoas nas organizações todos os anos: existe qualidade de vida no trabalho?

Fechar esta equação não é tarefa simples, pois todos precisam trabalhar e ao mesmo tempo curtir as alegrias da vida. Equilibrar a vida pessoal com a vida profissional. Eis a questão!

O princípio de tentar alcançar este padrão, praticamente inalcançável, leva a um problema de ordem emocional. Talvez uma fórmula que auxilie é planejar cuidadosamente o que se vai fazer ao longo do ano. Dividir as tarefas, definir os papéis importantes para sua vida em todas as dimensões e colocar a mão na massa. Isto pode levar a um equilíbrio: se a pessoa tomar essas decisões inconscientemente, ela tende a ficar fora de forma e ainda exausta emocionalmente e financeiramente. Mas se as decisões forem tomadas de maneira consciente, existe a possibilidade de mudar o rumo da vida.

Deixo para todas três ações que podem facilitar este planejamento:

 

1-O que devo focar em minha vida?

A primeira decisão é escolher cuidadosamente o que focar. Isso porque a cada momento milhões de coisas competem pela sua atenção. Por isso é preciso escolher. Qual área você tende a concentrar-se mais? O que você tem ou o que está faltando na sua vida? Em vez se de concentrar no que você não tem e invejar as pessoas que estão em melhor situação financeira, você pode desenvolver o hábito de apreciar o que já tem e criar um “novo nível de bem-estar e riqueza emocional”. Outro ponto é se concentrar mais no que pode controlar ou no que não pode. Se você se concentrar no que não pode controlar o estresse será maior. Você pode influenciar muitos aspectos da sua vida, mas geralmente não pode controlá-los.

 

2- O que tudo isso significa em minha vida?

A qualidade de vida é controlada pelo significado que você dá às coisas. “Quando acontece alguma coisa que perturba a sua vida (um acidente de carro, uma questão de saúde, uma perda de emprego, por exemplo), você tende a pensar que este é o fim ou o começo?”.

Quando as pessoas mudam seu foco habitual e seus significados, não há limite para o que a vida pode se tornar.

 

3- O que eu vou fazer com minha vida?

As ações que você toma são fortemente moldadas pelo estado emocional em que está. Por isso, é preciso ficar consciente dos comportamentos quando você está frustrado, irritado, triste ou se sentir solitário. Você não pode mudar seus padrões se você não está ciente deles ou para onde quer levar o seu destino.

Autor: Jorge Luiz Conde

Deixe uma resposta