A HORA DE “PEGAR O BONÉ”

Muitas vezes nos deparamos com aquela situação estranha: o trabalho já não satisfaz, chega a impressão de que seu ciclo acabou e você está como um corpo vazio, ocupando espaço físico. Um dos maiores desafios da chamada gestão de carreira é detectar o momento certo para a sua saída de um emprego e a busca de novos desafios.

Alguns sintomas podem ser levados em consideração em sua análise sobre este momento tão complexo e cheio de dúvidas:

  • Você acha que não ganha bem. O problema não é da empresa que não paga o suficiente, mas sim da capacidade de bancar o necessário para garantir sua satisfação se não gosta do que faz.
  • A sensação de que nada do que produz faz a mínima diferença.
  • O sentimento de não ter espaço para crescer na organização.
  • Detesta tanto seu gestor que é difícil se concentrar em qualquer coisa que não seja o ódio por ele.
  • Você se sente uma pessoa no trabalho e outra na vida pessoal.
  • Todo domingo à noite você não se sente bem, pois seu subconsciente já prevê o suplício de ir na segunda-feira de manhã para um local que não lhe agrada.
  • Seu desânimo é tão visível que todo mundo questiona se você está bem ou comenta sobre sua aparência cansada e seu semblante triste.
  • Suas visitas ao médico se tornaram mais frequentes e sintomas como estresse, hipertensão e outros fazem parte do diagnóstico.

Quando estiver com todos estes sentimentos, pode ter certeza de que está na hora de “pegar o boné” e ir se arriscar em outras paradas. Este termo é uma analogia sobre o momento adequado para tomar uma decisão firme, buscar novos desafios e propor mudanças para sua vida.

Neste momento é necessário ter coragem para pedir demissão. Tome a dianteira e demita-se. Saia antes que sua vida profissional fique tão abalada que não exista mais horizonte. Este processo passa, inclusive, em algumas situações, pela tentativa de uma demissão negociada com a empresa.

Talvez você esteja pensando que no atual momento conseguir uma boa vaga no mercado de trabalho é complicado. Como tomar uma decisão destas e jogar uma vaga e o salário para o ar?

Neste momento é que entra em jogo a empregabilidade. Pense em termos de carreira e não de emprego. Planeje e saiba que, muitas vezes, pior do que não ter emprego é ter um que não apresenta nenhuma perspectiva decente.

Profissionais com alta empregabilidade possuem vantagem nesta hora de decisão. Nestes momentos, quem não tem empregabilidade fica em situação desesperadora e sem enxergar saídas.

Reflita sobre esta situação. Esteja atento e invista sempre em suas possibilidades de qualificação e crescimento. Pense em tudo que está a sua volta e onde quer chegar. Mas não perca de vista o desenvolvimento da sua carreira e esteja preparado para tudo, inclusive para “pegar o boné”.

Autor: Jorge Luiz Conde é professor universitário e consultor organizacional

Deixe uma resposta