Você sabe o que é Gerenciamento de Projetos?

Gerenciamento de Projetos é o uso de técnicas, ferramentas e todo tipo de recursos possíveis para entregar os produtos/serviços necessários ao atendimento das demandas dos clientes, observando cada um dos requisitos acordados entre as partes.

Até pouco tempo atrás, o gerenciamento de projetos estava focado, basicamente, em entregar os produtos requisitados, dentro do prazo e orçamento contratados. A evolução dos estudos e práticas de gerenciamento de projetos abriu novos horizontes, de modo que atualmente existem muitas metodologias e guias de referência para o assunto. O mais conhecido na atualidade é o PMBOK 5ª.Ed.

Segundo este guia, para aumentar o potencial de sucesso do gerenciamento de um projeto, seria importante avaliar 10 áreas de conhecimento (integração, escopo, tempo, custos, riscos, recursos humanos, comunicação, aquisições, qualidade, partes interessadas) e 47 processos de gerenciamento.

Muitas variáveis podem interferir no gerenciamento de um projeto, contribuindo para que o processo seja ainda mais complexo. Desde variáveis do ambiente interno, como restrições de recursos humanos, máquinas, equipamentos, espaços, dispersão geográfica, vaidades, conflitos, resistência à mudança até as variáveis do ambiente externo, como intempéries climáticas, variação cambial, tecnologia e política, dentre outras.

O tempo e o custo necessário para o gerenciamento de um projeto estão diretamente relacionados a fatores como complexidade e esforço necessário para a implantação dele. É possível ver projetos de curta duração, com baixo custo, e projetos de 36 meses ou mais, que custam milhões. O custo orçado para a hidrelétrica de Belo Monte ser estabelecida, por exemplo, foi de 19,5 bilhões de reais, um dos projetos mais significativos do PAC.

A quantidade de pessoas a serem alocadas em um projeto vai variar em função de sua complexidade. Cada área requer competências específicas para o desempenho das funções necessárias ao sucesso do projeto. Na atualidade, é comum a formação de equipes multidisciplinares, com engenheiros, administradores e técnicos nas mais diversas áreas.

O planejamento é algo determinante para o sucesso de um projeto. Saber o que considerar e como fazer as estimativas iniciais, que serão refinadas durante o processo de planejamento, é um dos caminhos mais seguros para que um projeto passe para a fase de execução. A assertividade de um planejamento depende de muitas coisas, mas duas são determinantes: a experiência da equipe e a qualidade da informação que será utilizada no momento do planejamento. Equipes experientes seguramente terão uma condição diferenciada de colocar o projeto planejado em execução.

Durante as fases de concepção e planejamento de um projeto, são levantadas as incertezas e riscos que poderão comprometer os resultados planejados. É fundamental mapear corretamente os riscos para que seja possível identificar os gatilhos, bem como eventuais indicadores de controle, que permitam o monitoramento destes ao longo de todo o ciclo de vida do projeto. No plano de gerenciamento de riscos do projeto são definidas as responsabilidades pelo monitoramento que podem ser centralizadas ou compartilhadas com integrantes do time.

Dentre os muitos pontos presentes no plano de gerenciamento de riscos de um projeto estão as ações mitigatórias, preventivas e contingenciais. A melhor forma de você lidar com imprevistos é considerar a ocorrência deles durante as fases de concepção e planejamento do projeto. Sabendo o que pode dar errado, é possível pensar em ações para evitar a ocorrência de situações que possam causar danos ao projeto ou, caso elas ocorram apesar de todos os cuidados, saber o que fazer para lidar com cada uma delas no momento em questão. Ou seja, fazer uso do famoso “plano B”, que são exatamente as ações contingenciais planejadas previamente.


Fernando Paes Nascimento é Doutorando em Engenharia e Gestão do Conhecimento pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Mestre em Administração com Ênfase em Estratégia Empresarial pela Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC/ESAG, Especialista em Gerenciamento de Projetos pela FGV, Especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela FGV, Especialista em Administração Global pela ESAG/Universidade Independente de Lisboa, Especialista em Metodologia do Ensino Superior e Metodologia de Pesquisa e Extensão pela Fundação Getulio Vargas. Em 2012, foi premiado pela FGV como o melhor professor de Gerenciamento de Projetos da Instituição no Brasil.

Deixe uma resposta